<$BlogRSDUrl$>

sábado, abril 29, 2006

ESTADO DE ESPÍRITO
Dizes que sou imaturo, uma criança grande, irresponsável ...
Mas, por que hei-de eu crescer?

(3) balázios

sexta-feira, abril 28, 2006

A METRALHAS O QUE É DE METRALHAS
Os Manos Metralhas só AMAM e MERECEM as Manas Metralhas

(5) balázios

quarta-feira, abril 26, 2006

Devassidões heterossexuais. – Para concluir o estudo sobre a heterossexualidade mórbida vou referir-me a algumas praticas sexuais entre os dois sexos e que devem agrupar-se sob a designação geral de devassidões heterossexuais. São perversidades que geralmente a decadência da virilidade leva a praticar; mas algumas há que parecem constituir acentuadas perversões. Entre essas devem colocar-se, por vezes, as praticas do cunnilingus e do fellatio. A cópula anal entre o homem e a mulher é uma pratica que está longe de ser rara. Raríssimas vezes traz prazer à mulher e quase sempre o coito é acompanhado de dor que justifica a recusa que ela tem em o aceitar; contudo notam-se algumas excepções: mulheres há que procuram satisfazer desta forma os seus desejos sexuais.


MONIZ, Egas (1902) A Vida Sexual – Pathologia.
Coimbra: França Amado Editor. Vol. II. 1.ª Edição. Pág. 103-104



P.S.1 As devassidões heterossexuais; a prostituição; o sadismo; a necrofilia; o masoquismo; são sub capítulos que estão incluídos na denominada Heterossexualidade Mórbida por Egas Moniz.

P.S.2 Formou-se em Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra em 1899, e defendeu a tese de licenciatura em 1900. Em 1901 prestou provas de doutoramento com a tese «A Vida Sexual – Physiologia e Pathologia» e em 1902 entrou para o quadro docente como professor substituto.

(5) balázios
COISAS QUE NÃO FAZEM SENTIDO NENHUM
EXTORQUIR EM NOME DA LEI

A rua é larga e tem sentido único.
O passeio do LADO DIREITO da rua é tão largo que até tem um ecoponto com 3 ou 4 contentores encostados a um prédio.
Ao lado dos contentores estão 2 ou três carros estacionados junto à parede.
É noite, não estão entradas de garagens obstruídas, nem portas de prédios, nem quaisquer acessos impedidos. Os peões (raros) podem circular sem desvios ou entraves.
Passa a AUTORIDADE, sonolenta, e pára. Estaciona "meio no passeio / meio na estrada" e atrapalha o trânsito dos automóveis que circulam na rua.

A AUTORIDADE copia as matrículas respectivas, passas as multas respectivas, e distribui-as pelos pára-brisas das VIATURAS respectivas (creio que o ecoponto também levou um bilhete mas não tenho a certeza) .

A lei cumpriu-se. Mais umas dezenas de euros de imposto que o Estado se encarregará de desbaratar.


Do LADO ESQUERDO da rua também há vários carros estacionados em zona proibída, mas a esses a AUTORIDADE perdoou.

Se calhar devia estar a chegar o final da "hora de serviço".


(1) balázios
Picasso



BESTA (ou bestial)

Diz-se que um homem é um(a) besta para significar que não tem inteligência, penetração nem discernimento; que é idiota, para indicar que é incapaz de combinar as ideias que lhe excitam (os) seus sentidos;

in ROQUETE, J.I., O.F.M. 1885: 125




(5) balázios

terça-feira, abril 25, 2006

30 anos de alternância democrática

(0) balázios

segunda-feira, abril 24, 2006

QUEIMA DAS FITAS 2006
5 a 12 de Maio
COIMBRA - PORTUGAL
(ligação ao site)

(12) balázios

domingo, abril 23, 2006

AÇORES - III




FAIAL: Vulcão dos Capelinhos - última erupção em 1958


(2) balázios
AÇORES - II

Tão perto mas tão longe, o Pico espreita através das nuvens a cidade da Horta na ilha do Faial.

(0) balázios

sábado, abril 22, 2006

PHOTO NOVELA
(9)

... por falar em matrecos ...
... por onde andará o Mano 69 ?

(1) balázios
PHOTO NOVELA
(8)






... ela é mestre no jogo de ancas e muito ágil com as mãos ...

... por isso ...



... quando ela chegar iremos jogar matrecos ...

(0) balázios
PHOTO NOVELA
(7)

... oxalá não lhe tenha sucedido nada de mal ...
... hoje em dia é necessário ter muito cuidado na estrada ...
... ouve-se falar de muitos acidentes de viação ...

(0) balázios
PHOTO NOVELA
(6)





... estou tão ansiosa ...


... já não estamos juntas há algum tempo ...

(0) balázios
PHOTO NOVELA
(5)






... estou à espera da minha melhor amiga ...

(0) balázios

PHOTO NOVELA
(4)


entretanto













... é melhor deixar a porta aberta ...

(0) balázios
PHOTO NOVELA
(3)



... depois tenho que me preparar para purificar a alma ...

(0) balázios
PHOTO NOVELA
(2)
... talvez coma apenas uma bolachita-baunilha para entreter o estômago ...

(0) balázios
PHOTO NOVELA
(1)
Não sei se almoce, se jante ...

(0) balázios
FIGUEIRA DA FOZ
(há mar e mar, há ir e voltar)
Bivalves: berbigão, mexilhão, lingueirão, ostra, conquilha, "cadelinha", vieira, etc ...

(0) balázios

sexta-feira, abril 21, 2006

AÇORES - I


A marina da Horta na ilha do Faial (Açores - Portugal) está toda pejada destas pinturas que são as cores dos veleiros e outras embarcações que ali encontraram abrigo durante as suas viagens. São sinais de marinheiros.

(0) balázios

quinta-feira, abril 20, 2006

ESTADO DE ESPÍRITO
esta merda está cheia de ervas daninhas !

(0) balázios
"Don’t worry about the future; or worry, but know that worrying is as effective as trying to solve an algebra equation by chewing bubblegum."
(Everybody's Free)
trad: Não te preocupes com o futuro; ou preocupa-te, sabendo que a preocupação é tão eficaz como tentar resolver uma equação algébrica por mascar pastilha elástica.

(0) balázios
FENÓMENO ATMOSFÉRICO

Ontem, 19 de Abril de 2006, pelas 15:30 horas aproximadamente, na Figueira da Foz (junto à marina), fotografei este arco-íris que se formou em volta do Sol. Nunca tinha visto um assim.

(0) balázios
FALTOSOS PARLAMENTARES FALTOSOS


(clica nas imagens para não teres falta)

(0) balázios

terça-feira, abril 18, 2006


Exagero fiscal?
Não! É a economia estupído.

(2) balázios


São assim o Cabo Mondego, a Serra da Boa Viagem, Buarcos e a Figueira da Foz, quando vistos de Sul para Norte, a partir de Lavos.


(1) balázios

segunda-feira, abril 17, 2006

PEÇO A PALAVRA

(...) No interior do edifício (Matemáticas), na actual Sala 17 de Abril, o presidente da DG/AAC, Alberto Martins, acompanhado por Luís Lopes, presidente do TEUC, e Luciano Vilhena Pereira, presidente do CITAC, pede a palavra a Américo Tomás, Presidente da República, que lhe responde de forma inconclusiva.A cerimónia termina abruptamente e toda a comitiva se retira protegida pelos agentes da Pide/DGS.Nessa noite Alberto Martins é preso à porta da Associação Académica de Coimbra por volta das duas horas da madrugada.(...)


(...) O 17 de Abril de 69 foi o início de um processo de contestação estudantil em que "o objectivo era pôr em causa a Universidade para pôr em causa a sociedade", que viria a terminar com a "Revolução dos Cravos" cinco anos mais tarde no 25 de Abril de 1974, na medida em que conseguiu bloquear a acção do Governo e consciencializar social e politicamente os homens que fizeram o amanhã (...)


(0) balázios
FALTA DE AR

A maioria dos portugueses respira com dificuldade, sobretudo quando toca a conciliar o pagamento das contas somadas de impostos, do empréstimo da casa, da prestação do automóvel, da água, da electricidade, dos combustíveis, do talho (foto: AzaventurasdemiltrezentosetreUze em Montalegre), da padaria, da(s) escola(s) do(s) filho(s), da farmácia, da sapataria, da peixaria, da mercearia, ...
E a porcaria do governo actual (à semelhança de outros anteriores) insiste na via da manutenção dos cidadãos nos níveis mínimos de sobrevivência.
P.S.: É impossível desculpar a incompetência destas lideranças, apesar dos artifícios de retórica e dos prolixos justificativos em economês e da propaganda dos "simplex" e "choque tecnológico" e "prace" e outros. A realidade tem que ser de leitura simples num país onde moram apenas 8 milhões de habitantes.

(1) balázios
SÃO SEMPRE OS MESMOS A PAGAR AS FAVAS
Carga fiscal com o maior aumento desde 1999
(...)
Segundo dados divulgados pela Direcção-Geral do Orçamento, no âmbito do acordo de divulgação de dados com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a carga fiscal em Portugal - que mede o peso das receitas fiscais e das contribuições efectivas para a Segurança Social no produto interno bruto (PIB) - passou de 34,2% em 2004 para 35,2% em 2005.
Esta subida de um ponto percentual no peso dos impostos e contribuições na economia é uma das mais fortes registadas em Portugal. Nos últimos 20 anos, de acordo com a Comissão Europeia, apenas por quatro vezes a variação anual deste indicador foi idêntica ou superior a um ponto percentual do PIB. A última vez que foi superior foi em 1999, ano em que a carga fiscal portuguesa aumentou 1,1 pontos percentuais do PIB (...)

(0) balázios

quinta-feira, abril 13, 2006

IMPEDIMENTOS DO MATRIMÓNIO


O impedimento do Matrimónio em geral é um obstáculo, que impede a duas pessoas o casarem uma com a outra. Há dois géneros de impedimentos: 1.º Os dirimentes, que fazem o Matrimónio nulo. 2.º Os impedientes que fazem ilícito, de sorte, que as partes podem casar-se sem pecado.
(…)
Os impedimentos dirimentes são catorze; a saber: o erro, a condição servil, o voto solene de castidade, o parentesco, o crime, a diversidade de Religião, a violência, as Ordens Sacras, o nexo de Matrimónio, a honestidade publica, a afinidade, a impotência, o rapto, a clandestinidade.
(…)
Os impedimentos impedientes, ou não dirimentes, fazem o Matrimónio ilícito. Destes há três géneros; a saber: O 1.º é o voto simples de guardar castidade, ou de entrar em Religião Sagrada, ou de nunca se casar. 2.º O tempo do Advento, e Quaresma, em que as núpcias se proíbem. 3.º Os Esponsais validamente feitos na face da Igreja a outras pessoas. Estes impedimentos não dissolvem o Matrimónio uma vez contraído; e para que se torne lícito, pode-se pedir a dispensa ao Bispo.



in DICIONARIO TEOLOGICO / Trad. Prospero ab Aquila e José do Espirito Santo Monte. Lisboa: Na Regia Offic. Typografica, 1795. – Tomo II; p. 264-273

(3) balázios
QUIXOTE


"(...)

- Não é meu costume – disse dom Quixote – despojar os que venço, nem é uso da cavalaria andante tirar-lhes os cavalos e deixá-los a pé: a não ser que o vencedor tenha perdido na pendência o seu: que em tal caso é lícito tomar o do vencido como despojo de guerra lícita: assim, Sancho, deixa esse cavalo, ou asno, ou o que quiseres que seja, que logo que o seu dono nos veja distanciados, voltará por ele.
- Deus sabe quanto me apetecia levá-lo – replicou Sancho – ou pelo menos trocá-lo por este meu, que não me parece tão bom: na verdade, são tão estritas as leis da cavalaria, pois não se estendem a deixar trocar um asno por outro, mas gostaria de saber se ao menos poderia trocar os arreios.
- Nisso não estou muito certo – respondeu dom Quixote –, e em caso de dúvida, até estar melhor informado, digo-te que os troques, se é que tens necessidade extrema.
- Tão extrema – respondeu Sancho – que não teria mais mister deles se fossem para a minha própria pessoa.
E logo, habilitado com aquela licença, procedeu à mutatio carparum (1) e pôs o jumento às mil maravilhas, deixando-o melhorado em terço e quinto (2).
Feito isto, almoçaram as sobras da boa comida de que tinham despojado a azémola, beberam água do arroio (…); e, depois de matarem o bicho e animarem o espírito, montaram e, sem tomar determinado caminho (por ser muito de cavaleiros andantes não tomar nenhum caminho certo), puseram-se a caminhar para onde a vontade de Rocinante quis, que levava atrás de si a do seu amo, e também a do asno, que sempre o seguia para onde quer que guiasse, em bom amor e companhia. Com tudo isto voltaram ao caminho real, e seguiram por ele ao acaso, sem qualquer outro desígnio.
(...)

N.do Trad.
(1) a mutatio carparum é a cerimónia que se realiza na Cúria Romana no dia de Páscoa e que consiste em os cardeais trocarem as capas de Inverno forradas de peles por outras de forro de seda vermelha.
(2) O terço é a melhora, quota que o pai, no direito sucessório espanhol, pode acrescentar à quota legitimária de um dos filhos; o quinto é a quota de que ou de cujos (autor da herança) pode dispor livremente."

O Engenhoso Fidalgo Dom Quixote da Mancha
de Miguel de Cervantes Saavedra (1605)
Tradução de Daniel Augusto Gonçalves (1977)

(0) balázios
TUBARÃO-FRADE (Cetorhinus maximus)
é um peixe inofensivo


(0) balázios

quarta-feira, abril 12, 2006

Aqui foi assim:

Ao largo de Buarcos/Cabo Mondego
Pescador apanhou tubarão elefante
Um tubarão elefante com 3,20 metros e cerca de 250 kg, foi capturado ontem de manhã, pouco depois das 9h00, por Alexandre Carvalho, quando pescava no “André Filipe”...


E aqui assim foi:

FIGUEIRA DA FOZ - Pescador capturou tubarão-frade em Buarcos
Um tubarão-frade foi ontem capturado por uma embarcação de pesca artesanal, perto de Buarcos. O seláquio terá sido atraído por uma corrente quente.


Mas afinal em que ficamos? É “frade” ou “baleia”? É que pode haver frades tipo baleia mas duvido que existam baleias tipo frade…

Eu frade também conheço o feijão… frade que aliás é muito amigo da abóbora…menina.

Enfim, era mais um tubaralho do carvalho!

(0) balázios
Always look on the bright side of life!
... You know what they say.
Some things in life are bad.
They can really make you mad.
Other things just make you swear and curse.
When you're chewing on life's gristle,
Don't grumble. Give a whistle.
And this'll help things turn out for the best.
And...
[music]
Always look on the bright side of life.
Always look on the light side of life.
(...)

extirpado de Monty Python's Life of Brian

(0) balázios

segunda-feira, abril 10, 2006

EU SOU NORMAL (*)




Só gosto das personagens malvadas.
Atraem-me vilões.
Arrebatam-me os causadores das desgraças alheias, os assassinos, os loucos, expressos em plenitude e verdade, somente nas ficções de livros ou embrulhados nos efeitos especiais cinematográficos. Topam-se à légua os seus esgares e cicatrizes, é nos dado a conhecer os pormenores mais sórdidos e as manias mais mirabolantes de cada um. Tudo, a bem da narrativa.

Mas, na realidade habitual do dia-a-dia os infames são quase todos bem apessoados. São belíssimas mulheres loiras, boas, altas, amaciadas em spas, grandes estadistas, sofistas permanentes de tv, mães-de-filhos, dirigentes desportivos, autarcas, políticos, artistas-gay e outros pilares da sociedade, representando papéis inocentes e exemplares.
Atraem-me também os autores obscuros e todos os que fogem da vida de glamour instantâneo e televisivo.
Mas, aqueles que mais gosto são as personagens reais ou inventadas de declínios e desgraças que sofrem tudo para vencer e falham sempre.
Adoro os patetas úteis e os apenas patetas.
Adoro os inocentes especialmente quando são traídos.
Venero os que levam todas as pancadas e quebram perdidos e vencidos finalmente.
Só respeito os que acabam mortos ou esfomeados.
Estimo muito aqueles a quem lhes roubaram a vida.

Desprezo todos os outros, sobretudo os que vivem felizes para sempre.
Desconsidero os que têm sucesso.
Choro de raiva nos finais felizes.

* eu sou normal, porra!!!

(3) balázios

sábado, abril 08, 2006

ICN - INSTITUTO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA


Golpe Palaciano no ICN
À boa maneira das repúblicas das bananas da América Latina e das repúblicas populares de África, está em curso um golpe palaciano no Instituto da Conservação da Natureza, com o fim de o extinguir juntamente com o seu quadro de pessoal.
Durante duas semanas grande parte dos dirigentes do ICN estiveram em visita de trabalho no Brasil, onde compareceram à Conferência das Partes da Convenção da Biodiversidade. Concretamente participaram nessa comitiva, dolorosamente afastados do seu serviço no País, o Presidente, a Vice-Presidente, o Director de Serviços da Conservação da Natureza, a Assessora da Presidência, a Relações Públicas e dois biólogos (usando a conhecida metáfora da competição de remo, a tripulação era, assim, constituída por 5 timoneiros e 2 remadores - ainda não se sabe em que posição chegaram).
Como se de um qualquer país terceiro-mundista se tratasse, a ausência física dos lugares do poder paga-se caro, mesmo nesta era das tecnologias da informação e da comunicação (uma socrática lição). Ao chegar, ao fim de duas semanas, para retomar o seu posto, o Presidente foi posto ao corrente da pequena reviravolta: o ICN e o seu quadro iria ser extinto pela Tutela. E pronto. Já está.
Pelos visto quere-se "refundar" o ICN. Quere-se um ICN novo, muito provavelmente um ICN novo com amanhãs que cantam. A justificação é que se pretende reforçar a biodiversidade (o que é um pouco paradoxal quando com isso queremos justificar extinções!?...). Assim o ICN novo (pelos vistos já designado por ICN-B!??) terá competências na biodiversidade, além de aglutinar as actuais competências do ICN velho. Bom, aqui o velho do restelo junta-se ao menino do rei vai nu e, a capella, perguntam "onde está a diferença?". Mas isso são esses. O povo rejubila sempre com o que é novo, o homem novo, a nova ordem, o estado novo, a república nova e, até, o carro novo. Seja o que fôr, se cheirar a novo é bemvindo. Portanto agora é que é. O que faltava ao ICN era um novo bê. Se fôsse detergente teria sido ICN PLUS, ICN EXTRA ou ICN Super, portanto não nos podemos queixar.
Bom, um cínico poderia aventar que a extinção do quadro leva à extinção de todos os cargos, sem direito a qualquer indemnização. Mesmo os de dirigentes intermédios em comissão de serviço, escolhidos por concurso (os que estão em substituição podem, e muito correctamente, ser sacudidos a qualquer altura. Mas, infelizmente, o mais provável é que não haja nenhum estratégia escondida. É que é sina deste País. Falta de estratégia. Nem sequer para fins obscuros se consegue definir, planear e executar uma estratégia consistente.
Muito provavelmente foi mais uma saloice do estilo nova cor dos táxis. Foram à alemanha, viram táxis cor de cocó de bebé e pensaram: alemanha é um país desenvolvido. A Alemanha tem táxis cor de cocó de bebé. Logo um país para ser desenvolvido deve ter táxis cor de cocó de bebé.
Silogismo semelhante devem ter feito com as notícias do Brasil: Os países ricos têm a palavra biodiversidade na designação dos serviços de natureza, logo Portugal para ter dinheiro para a conservação da natureza o que precisa é de acrescentar um bê de biodiversidade ao acrónimo ICN. Este País daqui a pouco não pode com todo o desenvolvimento novo. Ele é o novo governo, o novo presidente, a nova administração, a nova opa, o novo choque tecnológico, a nova atitude governativa. Agora um ICN NOVO. Transpira-se novidade. Bom, isto é tudo muito bom (e novo) mas implica um paradoxo (outro, já é o segundo no mesmo texto...) o que é novo não o é para sempre. Aliás, não dura muito tempo em estado novo (esta foi sem querer) .
Alguém tem que lavar a entrada, limpar o pó, olear as juntas. Enfim, fazer a respectiva manutenção. E aqui é que a senhora porcina torce o prolongamento coxigíneo, a manutenção não é o nosso forte. Mas não é caso para dramas. Quando este novo estiver perro, cheio de pó, com dedadas de gordura, i.e., quando este novo ficar velho, haverá uma solução evidente: arranja-se uma novidade!
Vivónovo sempre!
Velhismo nunca mais!
enviado por V. de A.
(nosso correspondente em Algures)

(1) balázios
AMERICAN BEAUTY

Trad: Oh está bem. Mata-me então. Estava a bater uma punheta.


Trad: É verdade. Eu estava a esganar o bispo, a esfregar a cenoura.

Eu acho que fica melhor se se substituir "esganar o bispo" por "espancar o macaco", e "esfregar a cenoura" por "esgalhar o pessegueiro", mas cada um sabe de si e usa o que lhe for mais cómodo.


(0) balázios

sexta-feira, abril 07, 2006


O Livro! A paixão por esse objecto que na sua essência se compõe apenas de lâminas, de rolos ou de algumas folhas, em cuja superfície são traçados, pintados ou impressos alguns caracteres, simbólicos ou alfabéticos, sendo tudo envolvido numa capa ou capsa, que valia segundo a época, o gosto e a fortuna do seu possuidor, essa paixão é uma das que mais fundas raízes tem no ânimo das gentes cultas, e que apresenta formas mais diversas.
Bibliógrafos, bibliófilos, bibliomaníacos, bibliólatras, bibliotáfios
e até mesmo (pois também existe a paixão do ódio) biblioclastas e bibliófobos são outros tantos amorosos do Livro, da sua essência ou da sua forma externa.
Que poderoso é o atractivo que exerce no ânimo do amador de livros a edição estimada, o exemplar raro, a encadernação de luxo!


CONDE DE SABUGOSA, Neves de Antanho, Lisboa, Portugália-Brasil, 1918

(1) balázios
já ... SEXTA FEIRA
dom Quixote, dom Quixada, dom Quesada, dom Quixana

"Quis a sorte ser nesse dia uma sexta-feira, e não havia em toda a venda senão umas postas de um peixe que em Castela chamam abadejo, na Andaluzia bacalhau, noutras partes curadillo e noutras ainda truchuela. Perguntaram-lhe se porventura comeria sua mercê truchuela, pois não havia outro peixe que dar-lhe a comer.
- Desde que haja muitas truchuelas - respondeu
ele - poderão servir de uma trucha (*); porque tanto se me dá que me dêem oito reais em miúdos como numa só moeda de oito. Tanto mais que poderia acontecer que essas truchuelas fossem como a vitela, que é melhor que a vaca, e o cabrito que o cabrão. Mas seja como for, que venha sem demora, porque o trabalho e peso das armas não se podem levar sem governo das tripas."

(1605, Miguel de Cervantes Saavedra)

* truta

(0) balázios

quinta-feira, abril 06, 2006

O FAROL DOS CAPELINHOS

foto em 2004 (1313)


(3) balázios

terça-feira, abril 04, 2006

O FAROL DA BOA HORA


(4) balázios
O FAROL DO CABO MONDEGO


(0) balázios
O FAROL DO CABO SARDÃO


(5) balázios
O FAROL DE AVEIRO

(0) balázios

segunda-feira, abril 03, 2006

FOI IMPRESSIONANTE


“Se um Helder impressiona muito gente, catorze Helderes impressionam muito mais!”


Deslocou-se à capital uma embaixada da Orxestra Pitagórica (GLUTOES - Grande Loja Ultra Tiranossáurica Osteoporótica Esclerosada Senil) integrados no Lesbian Mormon Association - tour 2006 tendo no hemiciclo da Assembleia da República votado, favoravelmente, a extinção da Estupidantina.

No referido local tiveram o privilégio de confraternizar com o augusto maestro Von Pitagorican e muitas outras altas individualidades presentes, tendo inclusivamente sido homenageados com um ágape servido na referida instituição.
Posteriormente, foi efectuada uma visita guiada pelos “paços perdidos” não tendo sido deixado de observar todos os recantos, corredores, escadarias, salões e saletas, bares, etc., com especial incidência na sala de trabalho do nosso anfitrião.

A notícia é hoje (03.04.06) publicada no Diário de Coimbra na sua página quatro.

(11) balázios