<$BlogRSDUrl$>

terça-feira, outubro 31, 2006

SÁBIOS PROVERBIAIS DIZERES
«Logo que Outubro venha, procura a lenha»

(18) balázios

quinta-feira, outubro 26, 2006


BELISCÃO

Ingredientes:
3 ovos
1 colher (chá) de fermento, em pó
1 pitada de sal
2 colheres (sopa) de açúcar
3 xícaras (chá) de farinha de trigo
300 g de goiabada
açúcar, o quanto baste para polvilhar

Modo de preparo:
1. Coloque 2 xícaras (chá) de farinha num recipiente. Acrescente os ovos, o fermento, o sal, o açúcar e misture bem. Acrescente a farinha restante, aos poucos, e continue amassando até obter uma massa lisa e uniforme.

2. Embrulhe a massa em filme plástico e deixe descansar por cerca de 1 hora.

3. Unte uma assadeira grande com manteiga e farinha de trigo. Ligue o forno em temperatura média (180 graus).

4. Polvilhe uma superfície limpa e lisa com farinha de trigo. Abra a massa com um rolo (cerca 2 mm de espessura). Corte a massa em quadradinhos (4x4cm). [quem não tem rolo se vira com uma garrafa de cerveja limpa e vazia - e pra quem é cervejeira aproveita pra beber antes de fazer os beliscões. é por isso que nunca comprei rolo. lol!]

5. Corte a goiabada em fatias (1 cm); as fatias em tiras (0,7 cm). As tiras não devem ter um comprimento maior que 4 cm. [vai por mim, já deixe a goiabada cortada antes de começar.]

6. Distribua uma tira de goiabada sobre cada quadradinho. A tira deve ser colocada na diagonal de cada quadrado, ou seja, ir de uma ponta à outra extrema.

7. Com as duas pontas da massa restantes, puxe-as e una as duas bem no centro do quadrado. Para que fiquem bem unidas, aperte bem as duas pontas. [por isso que chama beliscão.]

8. Distribua os beliscões sobre a assadeira untada, deixando um espaço entre eles.

9. Leve as bolachinhas ao forno pré-aquecido por cerca de 30 minutos ou até que fiquem dourados. Não se preocupe com o fato de grande parte da goiabada derreter. [esse é o segredo do doce! se a goiabada não derreter é porque é feita de chuchu e corantes...]

10. Retire as bolachinhas do forno e espere esfriar. Se quiser, polvilhe açúcar sobre os beliscões e sirva [ou coma :o) é bom quente, frio, no dia seguinte... *slurpt* dá mais ou menos 10 dúzias de beliscões.]

http://www.hikawa.com.br/2005_09_01_batata.html (acesso em 26 de Outubro de 2006)

(8) balázios

quarta-feira, outubro 25, 2006

SÁBIOS PROVERBIAIS DIZERES
«comer para viver, e não viver para comer»

(10) balázios

segunda-feira, outubro 23, 2006




Oleum Jecoris (N.I.)
Óleo de Fígado de Bacalhau

Obtido por exsudação dos fígados frescos do Gadus Morrhua LINN. (Morrhua vulgaris CLOQ.), do Gadus Callarias LINN. (Morrua Callarias CUV.), do Gadus Merlangus LINN. (Merlangus vulgaris CUV.) e de outras espécies congéneres, Malacopterígeos, do norte do Atlântico.

Líquido límpido, de cor amarelada; cheiro e sabor privativos suaves, não repugnantes; solúvel no éter, no clorofórmio e no sulfureto de carbone; pouco solúvel no álcool. Resfriado a 0º e mantido a esta temperatura por 3 horas não turva.

Emprego: Emulsão de óleo de bacalhau, composto. Óleo de bacalhau fosforado.

in FARMACOPEIA PORTUGUESA. EDIÇÃO OFICIAL
Imprensa Nacional de Lisboa. 1935. pág. 365-366.

(18) balázios

quarta-feira, outubro 18, 2006

Os portugueses estão contentes?
Os portugueses vivem bem?
Eu estou contente?
Eu vivo bem?
Quero dizer ... não me tem faltado o pão e o vinho à mesa mas, grande porra, o mundo tem mais do que o metro quadrado da mesa à minha frente.
Quero dizer que, após conclusão de Estudos Avançados em Esticão e Corrida, venho exercendo a mui nobre arte do furto nas condições mais adversas. Ultimamente mais tenho tentado o exercício do gamanço que executado o exercício propriamente dito. E porquê? Porque os portugas estão tesos e daí que pouco reste para lhes subtrair. Ainda por cima o mercado está pejado de ladrõezecos não diplomados ou com diplomas falsificados em instituições duvidosas, a gerir. A governar!!!!
O país não avança, encolhe e retorce-se como um farrapo nas mãos destas lavadeiras.
Para piorar li o anúncio de mais uma data de taxas e impostos assumidos ou disfarçados que já estão emboscados para 2007.
Como irá reagir a vítima?
Eu muái méme (francês) irei tentar a táctica do papel higiénico: rasga por todo o lado menos pelo picotado. Às escuras, em protesto contra os aumentos absurdos, mais 16%, na conta da electricidade.

(24) balázios

terça-feira, outubro 17, 2006





MESTRES MANOS METRALHAS

Grandes Espiritualistas e Videntes especializados

Competentes, com mais de vinte anos de experiência, resolvem todos os problemas com poderes absolutos de magia conhecedores de casos de magia negra e branca. Resolvem com rapidez, o máximo sete dias, o sucesso no seu futuro depende da sua decisão, todo o homem ou mulher pode ser enfeitiçado fica preso a si e fazer tudo o que você quiser, poderá obter domínio absoluto sobre qualquer pessoa amada! Decide pelo melhor: Unir familiares, amor, saúde, negócios, prender e desviar, afastar e aproximar pessoas amadas, tratar com êxito impotência sexual (feminina), doenças espirituais, alcoolismo, com forte talismã para os maus-olhados e invejas no máximo de 24 horas. Considerados uma das melhores duplas profissionais em Portugal.

Consultas todos os dias e a todas as horas.

Marcação: PORCO_CHAUVINISTA@HOTMAIL.COM

Não se preocupe com nada, contacte os mestres Metralhas.

Negócios nacionais e internacionais. Importação e exportação de despachos. Temos a solução para emagrecer e engordar! Renovamos a sua vida: interiorismo, montras, antiguidades, remodelações totais e parciais, etc..


PAGAMENTOS DEPOIS DOS RESULTADOS OU FACILIDADE EM PAGAMENTO

(aceitamos pagamentos em géneros)

(22) balázios
SÁBIOS PROVERBIAIS DIZERES
«NO APROVEITAR É QUE ESTÁ O GANHO»

(15) balázios

domingo, outubro 15, 2006

top barbudos 22
Avô Metralha

(0) balázios

sexta-feira, outubro 13, 2006

Esteatopigia numa Hotentote


Esteatopigia. Hipertrofia das nádegas ocasionada pelo acumulo de gordura na região. O fenómeno ocorre em ambos os sexos, mas é mais visível em mulheres; apesar de dificultar a locomoção, o aumento das nádegas parece funcionar como um elemento de atracção sexual.

in http://pt.wikipedia.org/wiki/Esteatopigia (acesso em 13 de Outubro de 2006)




(19) balázios


XAROPE DE MARMELO

Sirupus Cydonii

Suco de marmelo depurado....................350 gramas
Açúcar......................................q.b.

Determine a densidade do suco e ajunte a quantidade de açúcar calculada pela tabela XV; dissolva, aqueça rapidamente até a fervura e passe ainda quente por coador de lã.

Deve marcar a frio a densidade de 1,33.


FARMACOPEIA PORTUGUESA
Lisboa: Imprensa Nacional, 1935 – pág. 579

(6) balázios
UM MUNDO EM CONSTANTE MUDANÇA

(10) balázios

quarta-feira, outubro 11, 2006


MARMELO

Cydonium vel Cotonium

Pomo recente do MARMELEIRO – Pyrus Cydonia LINN. (Cydonia vulgaris PERS.) Rosácea arbórea, do Oriente, muito cultivada no continente e na Madeira.

Vulgar.

SucoCydonii succus – obtido por expressão da polpa do marmelo em começo de maturação e privado do seu revestimento lanoso. Posto em lugar fresco, decantado e filtrado depois de sofrer ligeira fermentação, constitui o Suco de marmelo depurado – Cydonii succus depuratum.

Emprego: Xarope de marmelo.

FARMACOPEIA PORTUGUESA
Lisboa: Imprensa Nacional, 1935 – pág. 344




Dedicado à Inha

(13) balázios

ARQUIVO HISTÓRICO DE GOIS (antigo Goes).
Revista de História, Etnografia e Regionalismo do concelho de Góis

N.º 1 (Julho 1956)
N.º 2 (Setembro de 1956)
N.º 3/4 (Dezembro 1956)
N.º 5 (Março 1957)
N.º 6 (Setembro 1957)
N.º 7/9 (Setembro 1958)
N.º 10/12 (1971)


"Alcança quem não cansa" diz o ex libris de Aquilino Ribeiro

Encontrei um número na Livraria Barateira, mais três na Livraria Camões aquando de uma surtida num sábado de manhã aos alfarrabistas que se situam na zona do Chiado em Lisboa. Os restantes números, para finalizar a colecção, estavam à venda na Livraria Académica (Porto) e foram enviados pelo correio.
Tudo somado a conta importou em 35 €, a módica quantia de 5 € o fascículo…


No entanto poderá encontrar aqui os doze fascículos por 175 € e aqui encomendar a edição fac-similada.

(7) balázios
OS EXTRATERRESTRES ANDAM A FAZER SINAIS NAS NOSSAS CALÇADAS

e nós?
ficamo-nos?
não nos vingamos?
não ripostamos com um sinal mais e um ponto de exclamação?


(8) balázios

terça-feira, outubro 10, 2006




AUTORA: FREITAS, Sônia Maria de

Assunto: História

A Presença Portuguesa em São Paulo, livro da historiadora Sônia Maria de Freitas, reconstitui a saga dos imigrantes portugueses para o Estado de São Paulo. Com linguagem directa e abrangente, apresenta a história e a memória deste grupo étnico, de forma inédita, e traça um perfil da comunidade portuguesa nos dias actuais. Ilustrado com 200 fotografias de época, documentos, gráficos, tabelas, 38 biografias de personalidades do meio artístico e cultural, empresários, comerciantes, operários, presidentes de entidades. Na palavra do professor e historiador Carlos Guilherme Mota, a pesquisadora no livro "aprofunda seu olhar e abre novos horizontes para a compreensão da efectiva contribuição dos portugueses e portuguesas na formação de nossa sociedade, processo de resto não concluído, pois há muito e muito a se descobrir e a repensar".

IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S/AISBN 857060484-X
Co-edição: IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S/A 2006
Páginas: 296
Código: 12.0.813.230

(4) balázios

(1) balázios
ESCAVADELAS
(recebido por e-mail do n/. correspondente na terra dos anticiclones)
"Escavações com 100 metros de profundidade efectuadas em solo britânico, revelaram vestígios de fiação de cobre com cerca de 500 anos. Os arqueólogos ingleses concluíram que os seus antepassados já possuíam, ao tempo, uma rede de telefones rudimentar.
Para não ficarem para trás, os arqueólogos franceses escavaram 200 metros de profundidade nos subúrbios de Paris, e tendo encontrado vestígios de fibra óptica com aproximadamente 600 anos, concluíram que os seus antepassados já possuíam uma rede de telefones sofisticada de alta qualidade.
Os arqueólogos portugueses, tendo solicitado os subsídios e as autorizações devidas e necessárias (por e-mail, fax e ofício), às Autoridades Competentes dos Diversos Ministérios (Min. Saúde, Min. Agricultura, Min. Ambiente, Min Economia, Min. do Turismo, Min. da Defesa, Min. das Finanças) bem como ao IPAR e a Sua Ex.cia a Ministra da Cultura, resolveram escavar 300 metros de profundidade em terras portuguesas, e nada tendo encontrado, concluíram que os nossos antepassados já utilizavam telemóveis há 700 anos atrás."

(6) balázios

segunda-feira, outubro 09, 2006


“Verifica-se indesmentível falta de respeito por estações arqueológicas de importância nacional, ou até peninsular, ou internacional. Se junto de um castro, como o de Santa Luzia, de Viana do Castelo, se constrói um grande hotel de categoria internacional, ou de ruínas romanas como as de Tróia (Setúbal), os terrenos são adquiridos por uma grande empresa urbanizadora, a arqueologia fica total e ignorantemente aniquilada. Não há que negar a evidência; de duas uma: ou estamos em presença de ignorantes poderosos e interesseiros, vivendo apenas o gozo do lucro material, ou temos de expor no galarim pretensos sábios, que de arqueologia nada de notável sabem fazer senão o trampolim de sua sabença cabotina, torneira aberta de algum magro rédito oficialmente auferido, sem a menor repercussão decente a favor dos créditos do ensino arqueológico e muito menos da consideração além fronteiras, a respeito da investigação arqueológica portuguesa.”

in VIANA, Abel (1962) Algumas noções elementares de arqueologia prática
Beja: [s.n.], pág. 201-202

(4) balázios

sexta-feira, outubro 06, 2006

PINTURA MODERNA

Estava um louco num manicómio que parecia ser, ou era ao mesmo tempo, um museu ou uma galeria de arte.
Havia um corredor muito largo e longo, e à esquerda ao fundo desse corredor havia uma porta grande e dupla que dava, talvez, para outro corredor similar. O tecto era abobadado com painéis quadrados dourados e vermelhos.
Apesar de não existirem janelas, a luz era branca e intensa, e havia quadros, muitos quadros nas paredes, modernos e coloridos, com molduras douradas e muito trabalhadas. O espaço era completamente despojado de mobiliário e o chão era em ladrilhos vermelhos. O louco estava mais ou menos a meio do corredor ou galeria, vestido com um pijama branco. O chão era frio e o louco arqueava os pés descalços e encolhia-se no chão junto à parede. Alguém que lhe devia ser familiar aproximou-se. O louco não deu mostras de reconhecer a visita mas tentou falar-lhe, e dizer-lhe que estava a melhorar e que queria sair dali. Contudo, só conseguiu emitir uns sons sem qualquer significado, que se tornavam mais desconexos quanto mais se esforçava por articulá-los e dar-lhes sentido. O efeito era patético. A visita dizia ao louco “está bem, pois, pois, sossega, deixa estar”, concordando sempre com ele, “como se deve fazer com os malucos”. Depois despediu-se prometendo voltar em breve e afastou-se, caminhando em direcção à grande porta, acabando por sair.
O louco levantou-se com custo e tentou andar até à porta para sair dali também seguindo o visitante, mas só conseguiu andar com pequenos passos, muito vagarosos.
Havia mais dois ou três malucos descalços e em pijama branco na galeria, com os olhos vazio, como quem olha longe para nenhures, talvez perdidos nas formas e cores das pinturas.
Exposta ao lado da grande porta estava uma pintura enorme com o mar e uma grande onda, e tinha escrito em pinceladas “my offshore wave”.
O louco abriu a porta grande, e saiu então da galeria com passos certos e normais e reparou que já não estava maluco.



(2) balázios

quinta-feira, outubro 05, 2006

FORA A REALEZA!
VIVA A REPÚBLICA!

(17) balázios

terça-feira, outubro 03, 2006

Ainda a questão do homem que gostava de peliças versus uma mulher de formas roliças



"Se me ama como diz, deve assinar o texto anexo, acrescentando-lhe algumas palavras para confirmar que aceita todas as minhas condições e que dá a sua palavra de honra de ser meu escravo até o seu último suspiro. Prove que tem coragem de se tornar meu marido, meu amante – e meu cão."

Angelika Aurora Rümelin (Pseudónimo: Wanda von Dunajew)





“ (...) Dou minha palavra de honra de ser o escravo de Madame Wanda de Dunajew sob suas condições e de me submeter, sem resistência, a tudo o que ela me impuser."

Leopold Sacher-Masoch

(6) balázios
NINA SIMONE

Ain't Got No/I Got Life


Ain't got no home, ain't got no shoes
Ain't got no money, ain't got no class
Ain't got no friends, ain't got no schoolin'
Ain't got no wear, ain't got no job
Ain't got no man

Ain't got no father, ain't got no mother
Ain't got no children, ain't got no
Ain't got no earth, ain't got no water
Ain't got no ticket, ain't got no token
Ain't got no love

I got my hair, I got my head
I got my brains, I got my ears
I got my eyes, I got my nose
I got my mouth, I got my smile

I got my tongue, I got my chin
I got my neck, I got my tits
I got my heart, I got my soul
I got my back, I got my sex

I got my arms, I got my hands
I got my fingers, Got my legs
I got my feet, I got my toes
I got my liver, Got my blood

Got life , I got my life

(1968) Gerome Ragni, James Rado, Gal McDermot

(0) balázios

segunda-feira, outubro 02, 2006

O quê em Souselas?

(0) balázios
EM LÍNGUA DE PEIXE

(10) balázios