<$BlogRSDUrl$>

domingo, abril 29, 2007

GRANDES DESPORTOS: EVITAR GAJAS QUE FAZEM DIETAS
as gajas que fazem dietas são o único tipo de gajas de quem costumamos fugir como o padre do trabalho.
em todos os locais por onde passamos, podemos notar que existem certas épocas do ano em que a adesão às dietas (de vários tipos) ganham adeptas. essas épocas do ano coincidem invariavelmente com as vésperas de férias de praia, com as vésperas de eventos que requerem vestidos novos, tipo bailes, casamentos ... enfim, com ocasiões onde é adequado e conveniente o descascanço.
invariavelmente, este tipo de (pseudo) praticantes de dieta, corta na sopa, na batata, ..., no legume (muita fibra se calhar), mas não cessa o investimento na fatia de bolo, no docinho da casa, na musse de ananás e em todo o tipo de outras porcarias repletas de açucar, contrariando tudo aquilo que qualquer dietista e o bom senso aconselham.
ora, este tipo de meninas são umas farsantes, e pretendem impingir uma imagem elegante e delgada de si que não é honesta. querem enganar para obter algo mais facilmente, julgam.
por hipótese meramente académica, supondo que uma das dietas resultasse na perda das gramas requeridas para o cabimento no vestido ou seja lá o que for, e que isto tivesse como consequência que um zé sicrano se interessasse pelas carnes, acabando por trinchá-las, o dito zé estava a ser vítima de publicidade enganosa. o mais certo será que toda a banha perdida para efeito de caça do zé bimbo, venha a ser recuperada após a consumação da captura e dos trâmites que festejam o acto.
muito embora a moda que vigora deixe de lado as buchas, as gordas, as cheias, as reboludas, e afins, e que isto lhes possa causar traumas, agravados por revistas femininas foleiras e telenovelas parolas onde a gaja mais feia é tão podre de boa como as outras, só temos a dizer que venham elas as gorduchas, que também são filhas de deus e marcham lindamente se se puserem a jeito. ó se marcham. têm é que ficar por baixo por motivos de segurança.

Etiquetas:


(10) balázios

sexta-feira, abril 27, 2007



(3) balázios

terça-feira, abril 24, 2007

Briooooooooooooooooooooooooooosa!


Penso em Coimbra e é este o rumor que me chega: um amanhecer de pássaros, o coaxar das rãs pela noite fora. Entre uma coisa e outra, os noticiários da BBC, os Quartetos de Beethoven, a comovida e tão desenganada arte de Oliveira Martins, e as discussões intermináveis, só possíveis quando a juventude é excessiva, e não nos cabe nas mãos um tal ardor.

Eugénio de Andrade in Memórias da Alegria



Etiquetas:


(2) balázios

segunda-feira, abril 23, 2007

QUASE ENGENHEIRA


(dâbliu dâbliu dâbliu ponto novasoportunidades ponto gove ponto pêtê)

Hurra!

A Mana Metralha já quase quase concluíu a sua licenciatura.

Fazendo fé na campanha "Novas Oportunidades - aprender compensa", não tardará muito para ser possível vê-la (vestida e) de capacete na cabecinha realizando um sonho.


(5) balázios

terça-feira, abril 17, 2007

Era uma vez ...
uma velhinha, tão velhinha,
que a última que levou
ainda se escrevia com ph.

(a foto da Vóvó Metralha foi gamada algures na net)



(8) balázios

domingo, abril 15, 2007



Primeira noite de um casal recém-casado.

Quando vão para a cama, diz ela:

- "Amor, ainda não te disse mas... eu sou muito inexperiente, não sei fazer nada de nada!"

- "Não te preocupes, querida, eu explico-te; tiras a roupa, deitas-te na cama com as pernas abertas, e eu trato do resto."

E ela, muito meiguinha:

- "Não, amorzinho... f... eu sei...!!! O que eu não sei é lavar, passar a ferro, cozinhar..."

(8) balázios

sábado, abril 14, 2007

Há diferenças que fazem toda a diferença
A propósito de certos figurões que aparecem frequentemente nos media a impingir decisões, e políticas, e medidas, e programas milagrosos que afectam toda a gente e nunca os próprios, é sempre bom ter presente que esses senhores e seus amigos, foi-lhes cedido o poder decisório em eleições democráticas. Foram legitimamemte eleitos, e estão a zelar pelo seu bem com a confiança da maioria de todos os que votaram.
A iluminação que possuem, fruto de vida inteira de dedicação às causas públicas e privadas, permite-lhes vislumbrar mais alto e mais além, e interpretar as diferenças que são fundamentais para que ocorra o seu progresso. Ou seja, quando estão a lixar o pagode, não estão a fazê-lo com má intenção, ou motivados por qualquer ideologia má. Somente exercem um direito que lhes foi oferecido. Um número de cidadãos eleitores deixou de ir um dia à praia e escolheu-os para tomar decisões, ou seja para mandar.
Sendo que não é necessário ser-se engenheiro, para perceber que a maioria dos eleitores mais tenta sobreviver, do que viver realmente, pode constatar-se que tal exercício sujeita os neurónios a grande stress, afectando a memória de forma recorrente.
Vamos aos factos:
Entre duas festas do jet7, o super playboy desloca-se de ferrari, helicóptero, e iate.
Entre dois arraiais de aldeia, o mini playboy desloca-se de zundapp de escape roto ou vai a penantes.
O super playboy veste Hugo Boss, Armani e Valentino. O mini playboy veste Remendado, Contrafacção, e Imitação Barata.
O superplayboy come canapés. O mini playboy come tremoços.
O super playboy bebe um wisky com gelo. O mini playboy chupa uma mini.
O super playboy dança na pista com actrizes e top models. O mini playboy gala de longe a Soraia Vanessa.
O superplayboy acaba sempre a noite a papar uma Herzigova. O miniplayboy acaba sempre a noite a esgalhar duas segóvias:
Conclusão: Como o miniplayboy goza mais, é justo que faça sacrifícios.

Etiquetas:


(4) balázios

quinta-feira, abril 12, 2007

«Pós-graduação em sagacidade»


Tem dificuldades nas competências pessoais de “coragem” e “frontalidade”? Quer aumentar os seus dotes de penetração intelectual e afins?
Não hesite mais, frequente a nossa pós-graduação em sagacidade que o habilitará em pouco tempo (cerca de dois anos) a conhecimentos, identidade, potencialidades e valores intrínsecos num partilha e colaboração com vista à consensualização de objectivos, à concertação das acções desenvolvidas pelos diferentes agentes locais e à optimização dos recursos endógenos e exógenos da astúcia.

. Inscrições ilimitadas.
. Não são aceites cheques!
. Envio de CV à Posta Mirandesa Restante.

(3) balázios

quarta-feira, abril 11, 2007



Quando o Pai de manhã ouviu a filha vomitar, ficou preocupado e perguntou à mulher:

- Foi comida?

- Foi, mas vai casar...

(4) balázios

quarta-feira, abril 04, 2007



Posto que vulgarmente se confundem estes dois vocábulos, com tudo em linguagem filosófica moderna são bem distintos. Os apetites são certos sentimentos corpóreos, não perpétuos, mas que ocorrem de tempo a tempo, acompanhados sempre de certo que mais ou menos desagradável segundo é maior ou menor sua força, que nos impelem a apetecer alguma coisa de que o corpo carece. (…)
Os desejos, que melhor se explicam pela palavra latina cupiditates, são certas inclinações, que não existem no corpo senão na alma, e cujo objecto são as coisas e não as pessoas; (…) – Diferencia-se o desejo do apetite em que, 1.º este reside no corpo e aquele na alma; 2.º em que este vem de tempo a tempo, e aquele é permanente; 3.º em que este sacia-se, e aquele não se farta, etc.



ROQUETE, J.I., O.F.M. 1885: 72

(6) balázios
Um caso prático estudado por Egas Moniz de “fetichismo”


Feiticismo (no original)


M. Z…, de trinta anos, funcionário, foi filho único de uma mãe nervosa. O seu olhar era de neuropata, o seu corpo delicado, os seus traços fisionómicos finos, a sua voz delgada e a sua barba mal semeada.
Aparte alguns sintomas duma neurastenia ligeira, nada se encontrava de mórbido. Órgãos genitais e funções sexuais normais. Afirma que nunca se masturbava senão umas quatro ou cinco vezes, ainda rapaz.
Desde a idade de treze anos que começou a ser excitado sexualmente com a vista de vestuário femininos molhados, ao passo que os mesmos vestuários secos lhe passavam completamente desapercebidos. O seu maior prazer era observar, num dia de chuva, as mulheres molhadas. Quando as encontrava nestas condições e as mulheres lhe eram simpáticas experimentava uma grande voluptuosidade, com erecção violente e sentia-se arrastado para a cópula.
Confessa nunca ter tido desejos de molhar as mulheres.
O resto é menos interessante.


Egas Moniz. (Patologia) 1906:278-279


Neuropata: pessoa que padece dos nervos.

(4) balázios